Shares

A entorse no tornozelo é provavelmente a lesão mais comum entre os atletas, e é provocada por uma distensão violenta ou por um movimento rápido da articulação. É também bastante comum em atividades do dia a dia, como andar, correr ou saltar. Na maioria dos casos trata-se de uma lesão benigna que pode ser resolvida sem grandes danos para as articulações, embora possa gerar alguma dor e desconforto. Mesmo em situações mais graves, a lesão pode evoluir de forma favorável caso seja aplicada a terapêutica adequada.

Os ligamentos do tornozelo são estruturas elásticas que permitem manter a articulação na posição correta. São os principais responsáveis por proteger a articulação do tornozelo contra movimento anormais, garantindo a sua estabilidade. Em condições normais, os ligamentos estendem até ao seu limite, regressando depois à sua posição inicial. Quando o ligamento é forçado para lá da sua capacidade dá-se o entorse.

As entorses mais comuns são as do ligamento lateral externo ou ligamento da “parte de fora”, que ocorrem maioritariamente no entorse por inversão, ou seja, a planta do pé vira para dentro.

Sintomas de Entorse

Os principais sintomas de alerta das entorses são:

– Dor imediata do pé;

– Aparecimento de edema (inchaço) no tornozelo;

– Equimose local (tornozelo negro);

Em lesões mais graves, pode ouvir e/ou sentir algo a rasgar juntamente com um estalido. Normalmente a zona lesionada é sensível ao toque e a dor aumenta com os movimentos de estiramento. Todos os sintomas têm tendência a aumentar de intensidade quanto mais grave for a entorse. As entorses com menor gravidade provocam habitualmente queixas durante 2 ou 3 dias, enquanto as entorses com maior gravidade podem provocar queixas durante cerca de duas semanas. É fundamental o repouso e o uso de canadianas para evitar a carga.

O tempo de recuperação também difere mediante a gravidade da entorse, podendo ir de semanas a meses.

Grau de gravidade da entorse

Uma entorse pode variar de ligeira a grave, mediante o quão danificado está o ligamento e o número de ligamentos afectados.

Entorse de Grau 1 (ligeira)

  • Consegue caminhar com dor ligeira
  • Estiramento leve dos ligamentos
  • Edema (inchaço)

Entorse de Grau 2 (Moderada)

  • Ruptura parcial do ligamento
  • Edema em redor do tornozelo
  • Dor em determinados movimentos do tornozelo

Entorse de Grau 3 (Grave)

  • Ruptura total do ligamento
  • Dores muito fortes e inchaço grande
  • Tornozelo instável, não consegue caminhar

Diagnóstico

O diagnóstico do entorse é normalmente feito pelo médico ortopedista, através do historial clínico, do exame médico e do recurso a meios complementares de diagnóstico, nomeadamente raio-x ou ressonância magnética. Os exames permitem detectar a existência de fracturas no osso.

Quais as melhores formas de tratamento?

Entorses de Grau 1:

  • Repouso: não deve caminhar sobre o tornozelo. Se possível utilize muletas para permitir uma macha protegida.
  • Gelo: aplique gelo para diminuir a dor e o inchaço. Não o deve fazer por períodos superiores a 20 minutos de cada vez.
  • Compressão: utilize uma ligadura ou uma meia de compressão para ajudar a controlar o inchaço e a imobilizar o tornozelo.
  • Elevação: sempre que possa deite-se e coloque o pé numa posição elevada.

Entorses de Grau 2:

Deve seguir as mesmas indicações, embora prolongando-as por mais tempo pois o tempo de recuperação é maior. Durante este período vai sentir dificuldade em andar pelo que deve utilizar muletas. Em alguns casos é importante imobilizar o tornozelo com uma tala para o proteger de certos movimentos.

Entorses de Grau 3:

Neste tipo de lesões é necessário imobilizar o tornozelo com gesso, de forma a estabilizá-lo. Nestas situações, tal como nas anteriores, raramente é preciso recorrer ao tratamento cirúrgico.

Forma de Prevenção

A prevenção de entorses pode ser feita através de um conjunto de medidas, nomeadamente:

  • Aquecimento antes de qualquer exercício
  • Fortalecimento muscular
  • Parar a ativdade quando se sentir cansado
  • Usar calçado resistente e de qualidade
  • Evitar o uso de sapatos de salto alto
  • Prestar atenção às superfícies em que caminha

 

Marque a sua consulta

Shares